Lideranças unidas contra fechamento da Usina de Charqueadas

Audiência foi realizada pela Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa
Audiência foi realizada pela Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa

Audiência foi realizada pela Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa

          A audiência pública promovida pela Assembleia Legislativa na Câmara Municipal de Charqueadas, na noite de quinta (9), selou um pacto de união pelo não fechamento da Usina Termoelétrica do município. Proposta pelo deputado estadual Valdeci Oliveira (PT), a mobilização reunião prefeitos, vice-prefeitos, secretários, vereadores, trabalhadores e a comunidade da Região Carbonífera. Todos defenderam com força a revogação da portaria 500 da Agência Nacional de Energia Elétrica, cujas exigências acarretam a desativação da usina no final de 2015. ” A Assembleia Legislativa está fechada com essa luta. Se há duas coisas que não podemos abrir mão são de energia e empregos”, afirmou Valdeci na abertura do debate.

O presidente do Sindicato dos Mineiros do Estado, Oniro Camilo, afirmou que o fechamento da Usina afeta cerca de 10 mil pessoas. “Não estamos pedindo nada além, apenas a manutenção dos empregos que temos. Os governos estadual e federal têm de olhar com mais carinho para a questão”, acrescentou.

O prefeito de Charqueadas, Davi Gilmar, lembrou a sucessão de perda de investimentos sofrida pela Região Carbonífera. “Estamos assustados, pois estamos em “perde-perde” há muito tempo. Que a nossa voz seja escutada pelas autoridades que têm a caneta”,  afirmou.

Na tribuna da Câmara Municipal, o governo do Estado confirmou adesão ao movimento. “Não podemos perder a geração de um megawatt de energia”, disse o secretário-adjunto de Minas e Energia, Artur Lemos Junior, ao lembrar a capacidade da Usina de Charqueadas.

Após mais de 10 pronunciamentos de autoridades e do público presente, o deputado Valdeci anunciou os próximos passos da ação conjunta: agendamento de uma reunião em Brasília com a direção da Aneel e a criação de um Comitê Permanente de Mobilização pela manutenção da usina, integrado por autoridades políticas, trabalhadores e sindicalistas. O primeiro encontro do comitê já tem data marcada: dia 4 de agosto, às 11h, na Sala da Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa. Na mesma data, as lideranças vão se reunir com o governador José Ivo Sartori e com o presidente da Assembleia, Edson Brum. “Temos de mudar ou revogar a portaria 500. Os apelos da Região Carbonífera terão de ser ouvidos e compreendidos em Porto Alegre e em Brasília”, reforçou Valdeci, que preside a Frente Parlamentar do Carvão Mineral no Parlamento gaúcho.

Além de Valdeci, representaram a Assembleia Legislativa na audiência pública os deputados Luis Augusto Lara (PTB), Maurício Dziedricki (PTB) e Any Ortiz (PPS).