Valdeci acompanha apresentação de estudo da Ferrovia Norte-Sul

Valdeci com o ministro dos Transportes, Antônio Rodrigues.
Valdeci com o ministro dos Transportes, Antônio Rodrigues.

Valdeci com o ministro dos Transportes, Antônio Rodrigues.

O ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, esteve em Porto Alegre, nesta sexta (21), para apresentar a autoridades políticas e empresariais gaúchas o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) para construção da Ferrovia Norte-Sul. A obra, que vai interligar a Região Norte do país ao Porto de Rio Grande, é considerada estratégica para o desenvolvimento econômico do Estado. O deputado estadual Valdeci Oliveira (PT), que coordena o Comitê de Mobilização pela Norte-Sul na Região Centro, conferiu a apresentação, realizada na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), e saiu satisfeito com as informações prestadas. “ O estudo técnico feito será a principal referência para a elaboração do projeto básico da obra. E no estudo ficou demonstrado, mais uma vez, que o melhor traçado entre Chapecó e Rio Grande é o que passa por 30 municípios gaúchos, entre eles, Cruz Alta, Tupanciretã, Júlio de Castilhos, Itaara, Santa Maria e Cachoeira do Sul. Vou continuar acompanhando, passo a passo, os encaminhamentos para realização dessa obra”, explicou.

Conforme o ministro, o próximo passa para viabilizar a ferrovia é a definição de investidores para o projeto. Rodrigues confirmou que a Norte-Sul será incluída nas Parcerias Público-Privadas (PPPs). “O objetivo desse encontro hoje é justamento pedir apoio às lideranças empresariais do Estado para que nos ajudem a identificar potenciais investidores. O governo sozinho não tem como bancar os custos”, explicou.

O presidente da Valec Engenharia, Construções e Ferrovias S.A, Mário Rodrigues Junior, também participou da reunião em Porto Alegre. Conforme o diretor, a construção do trecho Chapecó (SC) – Rio Grande (RS) da Norte-Sul, cuja extensão é de 860 quilômetros, tem um orçamento estimado de aproximadamente R$ 8,7 bilhões. (texto e foto: Tiago Machado)