Para deputado Valdeci, situação do Regional merece investigação

Valdeci na tribuna da Assembleia Legislativa, nessa terça (14).

No dia em que o Hospital Regional de Santa Maria completou um ano de portas fechadas, o deputado estadual Valdeci Oliveira (PT) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para afirmar que a situação do complexo de saúde, cuja obra foi oficialmente concluída no dia 19 de setembro de 2016, merece ser investigada pela Justiça. “Ao meu ver, a não abertura do Regional é o combustível principal do colapso existente hoje no setor hospitalar e na saúde da cidade e da Região Central. Permitir que pessoas continuem sem atendimentos e até morram esperando um leito enquanto um hospital `zero quilômetro` permanece abandonado é um crime contra a saúde pública. O Poder Judiciário precisa se pronunciar a respeito, já que os governos estadual e federal só se interessam sobre esse assunto em época eleitoral”, disparou o deputado.

Valdeci também afirmou que “as principais marcas do primeiro aniversário de existência física do Regional são a omissão, a irresponsabilidade e a incompetência”. Ele lamentou também a inexistência de qualquer previsão de data para o início dos atendimentos. “Um ano se passou da conclusão da obra, e nenhum paciente foi atendido, nenhum funcionário foi contratado, nenhum equipamento foi comprado ou instalado e nenhum gestor foi anunciado. Não se vê perspectivas para a abertura do hospital nem hoje, nem logo ali adiante. O Hospital Regional é refém do oportunismo e da insensibilidade de autoridades que se preocuparam muito mais em fazer anúncios eleitorais e promessas inconsequentes do que em trabalhar efetivamente para garantir o funcionamento desse equipamento público”, afirmou ele.

CRIME DE RESPONSABILIDADE- Preocupado com a falta de transparência do governo do Estado em relação a situação do Regional, Valdeci já se reuniu com o procurador jurídico da Assembleia Legislativa, Fernando Ferreira, para estudar medidas jurídicas. “Desde julho, eu aguardo uma cópia do estudo feito pelo Grupo Sírio-Libanês a respeito do plano operativo do Hospital Regional. Esse relatório custou R$ 5,9 milhões aos cofres públicos e está trancado a sete chaves na Secretaria Estadual da Saúde. Isso é inadmissível e, conforme a legislação estadual, configura crime de responsabilidade do governador. Se o estudo não for disponibilizado nos próximos dias, eu irei ingressar na Justiça em outubro. Fazer segredo com dinheiro público é atuar fora da lei”, assinalou o deputado, que, no seu pronunciamento, também solicitou ao líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Gabriel Souza (PMDB), que interceda junto ao Executivo para viabilizar a divulgação do plano operativo.  (texto: Tiago Machado – foto: Assembleia Legislativa)